quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Abstinência da Alegria

Começa com o prelúdio anunciado. Depois que passa o dia 1 de todos os anos, se diz:
- O ano só começa depois do Carnaval.

Tiram as fantasias desgastadas do armário. Não importa o furo ou remendo: isso apenas mostra que se divertiram no passado.
Tem peruca também. Alguns colares de pérolas e pedras falsas. 
Tem um brilhinho escondido que derrama pelo quarto e bagunça tudo.

Acho que na verdade, bagunçados somos nós. 

Em alguns dias somos tudo: reis, magos, sereias, pintores, piratas, heróis. Artistas. Sonhadores. Opressores.
Sim, opressores! Do mau humor, da cara amarrada, do sorriso fechado e do coração vazio.
Somos o Carnaval!

A gente desconstrói tudo. A hora que costumamos dormir não se passa nos relógios. É o mundo paralelo das ruas, dos becos e vielas lotados de foliãs... de beijos escondidos, dos abraços em grupo e da festa coletiva.
É dia de pedir uma cerveja para o rosto desconhecido e receber como resposta: "mais uma dose, é claro que eu tô afim". O sorriso se faz de graça. A gente se empurra mas na verdade, se abraça!

É um tempo intenso. Os amores são eternos. Quando termina, parece que se foi pra sempre. Ficamos arrasados. A maquiagem escorre, a purpurina se esconde embaixo da cama, as fantasias voltam para as caixas e malas.

A gente acorda na quarta-feira cansados, suados mas inteiros. Jogamos uma água no rosto, espalhamos o perfume da felicidade pela casa e vestimos a carne e o coração de novo, prontos pra outra. Pra outros. Pra voar alto, ser livre e só mais uma na multidão.

E ser mais uma na multidão colorida já não importa muito, eu acho. Pois bem, de verdade, importa TUDO. Sou como você, como ele, como nossos pais um dia foram: sou Carnaval! :)

Ano que vem eu volto e te mostro que a fantasia é eterna sim. Só a gente que não vê. Te espero embaixo da girafa amarela, do estandarte mais bonito, sem esse negócio de celular pegar. A gente se encontra pelo olhar! Te espero no pelô, nas vigas da Perimetral, embaixo das ladeiras.
Graças a deus, te espero sempre no verão. Que bom que esses dois sentimentosd caminham juntos.